27 de julho de 2014

Colete Listras e Mega






Fiz este colete/sweater uns 2 anos atrás. Adorei o visual dele: as listras, as cores, o modelo, mas o caimento é um pouco folgado e acaba "ampliando" um pouco a silhueta, se é que vcs me entendem... rsr... por isso não usei muitas vezes, mas vou tentar retomá-lo neste inverno.

A receita é muito fácil, naquele mesmo estilo "topdown" que eu sempre faço meus casaquinhos e os das crianças: começando por cima, no decote, e descendo para o corpo. Esses modelos são adaptáveis, por isso gosto tanto.

A receita original (disponível no Ravelry) é de um colete pra bebê. Então uma pessoa muito talentosa e criativa foi lá e resolveu adaptá-la para adulto:dobrou o número de correntinhas iniciais e foi seguindo com essa quantidade de pontos (é preciso ir experimentando no corpo e checando se o tamanho está OK pro seu manequim). O meu é 42.

Também é possível fazer com as mangas compridas. Eu optei por fazer como o original, pra usar com blusinha justa por baixo, de mangas longas.

Não fiz casas para os botões porque os vãos formados pelo próprio ponto alto já são suficientes para encaixá-los.

Todo feito em pontos altos e apenas a volta toda com pontos baixos pra dar o acabamento (com fio preto).

Usei fio Desejo (Pingouin), 1 fio, agulha 3,5, nas cores:




Receita no Ravelry (cadastro free): "Adult Bombay Love" Sweater:  aqui.
Inspirada em "Bombay Love Sweater" de bebê: aqui.

Mas hj faria tranquilamente usando o fio Harmonia, da Aslan, mas infelizmente não encontro muitas cores disponíveis... :(

***********************************************

P.S.: Fui com minha mãe à Megartesanal ontem (sábado, último dia). Tardezinha fria, de garoa, um convite pra um passeio a duas apaixonadas por craft.
Estava lotada, mas encantadora e cheia de coisas lindas como sempre! 


...........
Um grande abraço e uma linda semana, aquecida e cheia de tudo o que te fizer feliz!



11 de julho de 2014

Boina

Inverno vindo pra ficar e a vontade de trabalhar com lã também...



Fiz uma boina de crochê pela primeira vez e adorei!! Tanto a receita, muito fácil, quanto o caimento.
Mas não é pra mim - só vesti pra que vcs tivessem ideia do caimento. Foi feita pra uma priminha do meu marido que tem 15 anos (e uma cabecinha bem menor... rs).

Pro meu tamanho teria que ser um pouco maior. E teria que ter feito mais algumas carreiras de ponto alto pra dar aquela "caída" típica das boinas (vejam no link da receita original as fotos dela). Vou tentar outra vez qq hora...

Adorei especialmente essa "faixa" mais trabalhada, os pontos torcidos em x: é o ponto cruz do crochê: simple cross stitch. Dá um efeito interessante! No mais, ela é toda extremamente simples de fazer: só pontos baixos, altos e meio-pontos altos.


Crochetei também pra ela um par daquela luvinha sem dedos que mostrei outro dia nas mãos do meu filhote (já fiz três pares dela ao todo!). Assim ficou um conjuntinho, que, aliás, ela já usou esses dia em Campos do Jordão! :)


O par de luvas do meu filhote pra quem não viu... Receita delas, com fotos e dicas neste post.
Receita da boina neste blog: aqui e também no Ravelry, onde a encontrei.

Não lembro o nome do fio que usei, mas sugiro a lã Desejo, da Pingouin, ou a Harmonia (da Aslan, pra quem tiver sorte de achar!! tanto maravilhosa quanto difícil de encontrar infelizmente...).



Andei me esquecendo deste colete em crochê que fiz ano passado e só usei uma vez. Amei esse colorido! Mostro pra vcs numa próxima... tenho que caçar minhas anotações...

Por ora, um grande abraço, bom fim de semana e lindos crochês!
*************************************************
P.S.: Pra quem quiser uma receita de gorro de crochê em português rápida e lindíssima, veja meu post aqui.
:)

21 de junho de 2014

Verde que te quero ver...












Terminei meu casaquinho verde de crochê. Felicidade define.
Já usei duas vezes e experimentei aquela sensação boa de usar uma roupa feita por vc mesma, ponto a ponto, e que é única. Gosto dessa sensação de produzir coisas, como nos tempos antigos, ser capaz de fazer algo que aqueça, sem máquinas ou indústrias. Se tiver um bom caimento então, perfeito!

Bom, mas vamos aos pequenos e interessantes detalhes desse trabalho:

1) Adoro pontos assim, intercalados nas carreiras formando buraquinhos, vcs não?! vejam de costas que efeito interessante ele dá.

2) Amei essa cor - verde-musgo, talvez? é o número 5398 da linha Anne, da Círculo. Fio 100% de algodão. Trabalhei com 1 fio e agulha n. 4.

Demorei muito pra conseguir terminar esse casaco porque o fio acabou e eu não encontrei mais nos armarinhos. Fiquei meses com ele parado! Até que chegou no Bazar Horizonte on-line.
E só faltavam as mangas, pode?! Tive medo de dar muita diferença de cor por causa do lote, mas não se percebe, ainda bem!
Comecei em agosto de 2013 e terminei em abril de 2014. A tempo de usar no outono! :)

3) A receita é grátis, do blog "Green Dragonfly". Aqui. Adorei o fato de ele ser bastante adaptável: vejam que fiz com mangas longas, sendo que o modelo original é de mangas bem curtas. É só encompridar até o tamanho desejado, assim como o comprimento do corpo, já que ele é feito no estilo "top down", o que significa que é feito de cima pra baixo, começando da gola e descendo em uma peça única.

A parte das mangas é feita em continuação à gola/decote, indo até a parte embaixo do braço, formando as cavas (na receita original é neste ponto que ela termina - vejam na minha primeira foto - é assim que ele termina), mas eu, depois de tudo pronto e arrematado, "peguei" os pontos da cava e crochetei em ponto alto até cobrir todo o meu braço.

A parte chata é que fica uma pequena marca (como se fosse uma emenda) nessa parte (onde vc continua a manga), porque ela vai estar sendo feita em outra ordem, ao contrário. Mas neste modelo não deu muita diferença. É só ficar atenta pra não deixar apertada demais na parte do antebraço (a minha ficou um pouco...). O segredo é ir experimentando à medida que for fazendo. Lembrando que perto dos punhos é bom diminuir um pouco o número de pontos, pq laceia muito.

4) O modelo é todo feito com pontos altos e baixos, muito simples de seguir. Mas confesso que tive dificuldade com o número de pontos por carreira (a primeira parte da receita é um pouco confusa) e com algumas repetições da receita (não é 100% claro onde exatamente deve ter os aumentos). Gosto de receitas detalhadas, com o total de pontos indicado ao final de cada carreira. Acho essencial. O que ocorreu é que, por essas dúvidas com o número de aumentos, o meu casaco acabou ficando estreito na frente e não tem como usá-lo fechado... Mas tudo bem, pq geralmente uso esses casaquinhos só abertos mesmo.

5) Não fiz casas para os botões, afinal não tem como usar fechado... são só para acabamento e porque jamais deixaria essa parte de lado. E dei a sorte de encontrar estes, da cor exata do fio! Numa das fotos, em que há um deles fechado, foi inserido num dos buracos do próprio ponto.

6) Meu manequim é 42/44, pra quem quiser ter uma base.
Obs.: estou com um segundo modelinho desse, agora em azul, tentando deixá-lo um pouco maior, pra usar também fechado... e porque um só era pouco! rsr

7) Meu assistente-júnior é quem tirou algumas das fotos pra mim, pra que vcs pudessem ver o caimento. Fez um bom trabalho, né?!

Um grande abraço a todas as minhas leitoras queridas, desejando um fim de semana/feriado de paz e aconchego, de preferência aquecida e com muitos fios ao redor.


1 de junho de 2014

Magic Garden - golinha

Já pararam pra pensar que criamos coisas partindo de diferentes motivações?


Por exemplo: às vezes fazemos uma golinha simplesmente porque achamos uma peça linda e porque fica charmoso. Outras, apenas pra nos proteger do frio...


Mas também pode ser porque quer dar um presente feito à mão, ponto por ponto. Ou porque viu uma no pescoço de uma famosa e gostou da moda.

E às vezes porque vc simplesmente quer fazer algo com uma lã de fio lindíssimo, 
com uma cor marcante e incrível, mesmo que vc já tenha uma dezena delas... Este é o meu caso! rs


Comprei um tempo atrás 1 novelo da lã Magic Garden, da Aslan. Apaixonante como praticamente todas dessa marca, que está tão difícil de encontrar sem ser on-line, não é? Talvez porque seja argentina e tenha mais dificuldade de importação, não sei.

O que sei é que, munida de agulhas de tricô n. 7 e este único novelo, fiz mais uma golinha pro meu acervo outono/inverno! Nesse caso, não pela golinha em si, mas porque queria muito usar o fio e tinha que ser algo pequeno; e fiquei pensando nesse ponto de partida, que me pareceu interessante...


O ponto, aquele que está sempre na cabeça, o mais fácil que conheço e que nunca desaponta:

Número de pontos divisível por 3 (acho que coloquei 21, mas tb pode ser com 18).

Então, fazer todas as carreiras em: 2 tricôs, laçada, 2 pontos tricô feitos juntos até o fim do novelo. 
Pra uma golinha 1 novelo dá perfeitamente e ainda sobra! É macia e deliciosa de trabalhar.

O único ponto negativo  é que deixa muitos pelinhos na roupa (usei com blusa branca e ela ficou lotada deles...). Mas talvez isso melhore com o tempo ou lavando a peça, quem sabe...

Feita a "tira" de tricô, é só dar uma torcida nela (opcional) e costurar as pontas. Pra entender como fazer isso, dá uma olhada no meu post aqui. E outras várias, se quiser inspiração, no marcador "Golinhas" ao lado.

Nesta eu resolvi usar um botão de madeira só pra dar um charme. Não tem utilidade, já que não fiz casa pra ele, só costurei, depois da gola pronta, pra acrescentar um detalhe.

Simples e rápido. Garantia de sucesso!


Ótimo início de semana, aquecido e cheio de aconchego!
Um grande abraço!

18 de maio de 2014

Luvas

Meu filhote cresceu, mas às vezes ainda me pede pra fazer coisas pra ele...
Faço com prazer, claro!


Finalmente encontrei uma receita de luvas sem dedos de crochê que ficasse bem nas mãos! 
Este é o terceiro par que faço e já sei de cabeça...




Também, não existe coisa mais fácil: ela é toda feita de uma só vez e com o mesmo ponto: meio ponto alto, em carreiras feitas na vertical, e não na horizontal, como costumam ser. Isso dá um efeito bem mais interessante e os pontos ficam bonitos e aparentes mesmo com lã preta.

O tamanho é o mesmo pra crianças e adultos, meninos e meninas, mas claro que se pode adaptar com um pouco mais ou um pouco menos de carreiras. O que vai ditar o comprimento delas é o número de correntinhas da carreira inicial (aqui 32 corr.). Estas serviram pra mim também, só um pouco apertadas.

Ela é bem longa e vai além dos pulsos, esquentando parte dos braços também. Em inglês eles chamam de "wrist warmers", ou seja, "esquenta-pulsos" e são mesmo muito mais confortáveis do que as luvas curtas.


Na foto abaixo, dá pra ver como deixar o buraco onde vai ficar o dedão:


Vc vai fazer um retângulo como na segunda imagem com a largura que quiser (pode ir experimentando nas mãos) e, ao chegar ao tamanho desejado, costurar as laterais, pegando os pontos de um lado e de outro, como na foto acima, com uma agulha grossa de costura. Então, deixar o vão para o dedão sem costura e continuar abaixo dele até chegar ao final (eu vou passando o fio por dentro dos pontos no avesso pra que não apareçam, até chegar ao outro lado).

Na receita original a luva termina aí: arremata-se o fio usado pra costura e pronto. Mas eu ainda faço uma carreira de ponto baixo em torno do dedão (depois de tudo costurado e pronto), pra ficar um acabamento melhor e mais forte.


Uma grata surpresa foi a lã Lã Cisne D´Primera: aqui. (são 40 cores disponíveis e mais 4 cores Neon, que parecem lindas nas fotos). Nunca as tinha usado (estava sem fio preto e passei num bazar que não tem quase nenhuma outra opção, então peguei um pacote com alguns novelinhos pra testar). É macia e boa de trabalhar.

A receita se chama "Sparkling Crochet Wristers" - no site da Lion Brand - aqui, ou na minha página do Pinterest: aqui.

Fiz com 32 correntinhas e agulha 4 mm.
Carr. 1: mpa na 3a corr. a partir da agulha e mpa em cada corr. até o fim da carr.
Carr. 2 em diante: mpa em cada ponto da carr. anterior até atingir o tamanho desejado, que será a largura da mão (a minha tem por volta de 21 cm de comprimento, como vc vê na imagem 3 deste post). Não medi a largura, mas vai depender do tamanho que vc quiser.

Então é só dobrar ao meio e costurar com o mesmo fio usado.

Quem quiser dar uma olhada em  luvinhas de tricô, veja meu post: aqui.
(Vejam que o outro par que fiz pro meu filhote foi em 2009; 5 anos se passaram! uau!). Mas já fiz outras tantas de crochê, que deram certo, mas que não ficaram lindas, então provavelmente por isso vi que não postei no blog... 

Um grande abraço e uma ótima semana!
........................................................................

6 de maio de 2014

Vintage...

Descobri por esses dias que não postei um conjunto de bebê em crochê que fiz ano passado (ou retrasado?!). Não importa quando, na verdade...


Receita free das Botinhas: aqui.
Do Chapeuzinho (bonnet): aqui.



Não são muito fofos? Eu simplesmente amei esse par de botinhas e o estilo de chapéu, muito vintage!

Eles não eram originalmente um conjunto: peguei a receita dos sapatinhos em um lugar e a do chapeuzinho em outro (aliás, já tinha feito este mesmo modelo para o meu sobrinho em azul, só que sem as bordas arredondadas), neste post aqui.

O tamanho é para recém-nascidos (ou no máximo primeiros meses de vida).


Gosto muito desse estilo de botinhas porque não saem facilmente dos pés, coisa que sempre acontece com os modelos de sapatinho raso, não?

Também gosto muito do estilo desse gorro (chamado de bonnet, em inglês) porque protege totalmente as orelhinhas (item considerado essencial pelas mães... rs) e que era muito usado na Europa, tanto por mulheres como por bebês, pra proteger do frio e da poeira e, no caso das mulheres, pra manter o cabelo arrumado mesmo dentro de casa. Acho o máximo resgatar coisas de tempos longinquos e trazer com elas um pouco de história...






Outro detalhe que pode interessar é a minha escolha atual de fios de linha (nas estações mais frescas, quando não queremos lã): Camila Fashion e Anne! Até pouco tempo atrás eu só usava a Bella, da Pingouin, que está cada vez mais difícil de encontrar perto de casa e algumas cores não se encontram nem mesmo em armarinhos on-line.

Já essas duas que citei são encontradas facilmente nos mais lindos tons e me acostumei com o fio torcido delas (diferente da Bella, cujo fio é bem liso e opaco) e com o tom mais "iluminado" e encerado, que estou adorando. Quase todas as minhas peças atuais (inclusive meus cardigans - que, aliás, ainda precisando ser fotogrados...) têm sido feitas com essas duas linhas (que pedem, na maioria dos projetos, agulha de crochê 3,5 mm). Claro que essa escolha depende do seu gosto! :)

E porque combina com esse retorno a tempos antigos e com a Europa e com sua elegância...


... "economizando" as derradeiras páginas de "Mansfield Park" no último feriado...

Um abraço e até a próxima!
Bons crochês, boas leituras!

12 de abril de 2014

Conelho

Sou apaixonada por coelhos com cara vintage e agora tenho o meu!


Quem acompanha o blog sabe que adoro reciclar materiais e transformar em algo aproveitável e bonito.
Neste caso, imaginem, um cone de barbante! Daqueles de papelão bem duro que a gente guarda pra enrolar fios um dia quando eles acabam.


A ideia veio de repente quando vi um coelho no Pinterest (esse azul da imagem acima). Não tinha receita nem indicação de como foi feito. Apenas a foto. Então os cones me vieram à mente! ficariam perfeitos porque serviriam de "recheio" e estrutura ao mesmo tempo, sem precisar usar manta acrílica ou qualquer outra coisa que desse peso e volume! além disso, daria uso a um dos tantos que tenho no armário!


Fiz o molde no papel sulfite totalmente a olho, apenas envolvendo o papel no cone e já recortando com as orelhas. Não ficou um molde bonito nem sei se vcs vão conseguir usá-lo, mas tirei uma foto pra quem quiser tentar imprimir ( Salve a imagem no seu computador primeiro e depois imprima em papel tamanho A4).



 O tamanho do feltro deve "envolver" todo o seu cone (imagino que tenham mais ou menos um tamanho-padrão). Assim:


Então, cortado o feltro escolhido de acordo com o molde, é só riscar a carinha do coellho (eu fiz isso com lápis mesmo, já  que o bordado preto iria cobrir):


A parte de trás não ficou perfeita, porque na hora de fazer o molde acabei deixando uma pequena parte descoberta (quando vc enrola o feltro no cone, percebe que ele dá uma jogada que vc não esperava... rs). 

Então costurei as orelhas com fio mostarda e agulha, com ponto caseado, já que as orelhas ficam abertas. E por fim enchi com um pouco de manta acrílica (pode ser algodão também ou qq outra coisa que preencha sem ficar muito duro):


Enquanto ia fazendo as etapas, sempre ia experimentando no cone pra ver se o caimento estava bom.
Também fiz uns bordados na parte da  barriga, mas são infinitas as possibilidades de enfeite: pode-se colar um feltro de outra cor, aplicar botões ou lantejoulas, pintar, aplicar tecido estampado e tantas outras coisas que vc tiver em casa.

A carinha dele eu bordei com fio preto, mas vc também pode pintar com caneta pra tecido ou dessas permanentes.

Amarrei as orelhonas com ráfia porque achei que ficaram esquisitas soltas... não estava no script...


Depois de todo o embelezamento pronto, é hora de colar o feltro no cone: usei cola Cascorez forte.




 E ele foi complementar a mesinha de Páscoa na sala.
Pra quem quiser acessar minhas pastas no Pinterest, lá tem o bordado que usei 
e também os coelhos originais, além das tags da árvore pra imprimir.

Um abraço e ótimo fim de semana!

P.S.: Para quem gostou da toalhinha branca de crochê que aparece nas fotos, ela chama "Jameson" e é de 2010: link para a receita free aqui!